O que você faria se seu celular pegasse um vírus?

Tempo médio de leitura: 4 minutos

Meu celular pegou um vírus, e eu não sei de qual carregador.

Os vírus de celular estão se alastrando rapidamente no mundo. José Carlos Estatística, do Instituto de Proteção aos Celulares (IPC), confirma a epidemia: “Já temos dados suficientes para afirmar, teremos um quadro pandêmico ao final desse ano. Qualquer pessoa que ainda compartilhe carregadores é louca”.

A notícia foi mais uma no colapso de proporções mundiais causado pelo alastramento dos vírus. O compartilhamento dos carregadores já se tornara uma atitude intrínseca ao meio urbano.

Em reportagem especial para um jornal do Rio, uma profissional que se identificou como Renata Recarga contou sua história: “… no começo, se tornou impossível arranjar clientes sem ter um carregador na bolsa. Eles queriam mexer no celular assim que acabássemos, então a bateria tinha que estar carregada. Aos poucos, ter o carregador se tornou meu principal serviço. Hoje, ando com carregadores para todos os aparelhos. Agora estou investindo nesse carregador suíço, que é universal”.

Lojistas também contam sobre a mudança no perfil dos consumidores, como o dono da Recarga na Livraria. “Eu tenho esse mesmo catálogo de livros há dois anos. Renová-los perdeu o sentido. Faturo alugando os espaços nas torres de tomadas, como essa aqui do nosso lado. Se pode usar enquanto faz as perguntas? Claro! Então, agora os livros são meu diferencial. Para aqueles que querem ler enquanto esperam a bateria ficar completa, tenho aqui inúmeras opções de leitura, todas gratuitas”.

Estudos apontam que os primeiros vírus para celular (ou VTRs, Vírus Transmissíveis por Recarga) vieram da recarga a partir de computadores, primos distantes dos celulares na família de eletrônicos. As empresas de antivírus negam a informação, acusando os fabricantes de carregadores. O porta-voz da PC Security rastreia o início das infectações ao uso da tecnologia USB. Afirma que “os carregadores passaram a ter entrada USB na extremidade da recarga, o que descaracteriza a própria recarga, já que você não precisa mais de uma tomada”.

Entidades de defesa aos USBs acusam o porta-voz da PC Security de USBfobia, como apontado por Pedro Moderno, líder do movimento. “Não faz sentido discriminar a prática de recarga com o USB, o que precisamos é de pesquisas para combater os vírus de celular, e prevenção. O que o porta-voz defende é um retrocesso a um mundo quadrado, de tomadas com entradas e saídas específicas. Mas os tempos mudaram, o USB é universal e veio para ficar”.

Não são todos que perdem com o perigo dos vírus. O mercado de prevenção contra vírus de celulares faturou no Brasil R$250 milhões no ano passado. Grande parte na venda das já chamadas “camisinhas de carregadores”, pequenos gadgets (de entrada USB) que, conectados ao celular, criam uma camada de proteção no sistema.

No Congresso, a regulação do uso de carregadores continua em pauta, sem definições. A bancada ligada ao Ministério da Tecnologia apoia o projeto de lei a qual determina que estabelecimentos com torres de tomadas forneçam os preventivos, e que as pessoas possam também consegui-los em postos especializados. Falam especialmente no aumento do índice de jovens com celulares infectados, 25% nos últimos 10 anos.

Farmácias já se antecipam a possível nova demanda, colocando em seus estabelecimentos as torres de tomadas, consideradas grandes vilãs no espalhamento dos vírus. O uso das torres está sob suspeita, pois são acusadas de praticar venda casada: só seria permitido recarregar nas torres para quem compra os preventivos, vendidos por elas próprias.

Já a bancada de fundamentalismo tecnológico defende a ubiquidade da recarga, como apontado pelo deputado Recargo Bonifácio: “Precisamos da disponibilidade de nossos aparelhos em qualquer lugar, a qualquer hora. Não podemos ter uma recarga de bateria dificultada por conta de regulações como essa. Não podemos ser punidos porque as pessoas não usam recargas com responsabilidade, compartilhando carregadores apenas com sua esposa ou seu esposo!”, pontua.

No meio de tudo, meu celular pegou um vírus, e eu não sei de qual carregador.


AIDS é um assunto sério, e o Brasil é um dos países que enfrenta um avanço recente da doença. Não deixe de se informar:

AIDS avança entre os jovens brasileiros

Maior crescimento de casos de AIDS está entre jovens de 15 e 24 anos

Gostou do texto?

Você pode receber as atualizações do Além do Roteiro inserindo o seu email abaixo e clicando em “Seguir”.