The Night Of 1×07 Review – Ordinary Death (Morte Ordinária)

Tempo médio de leitura: 7 minutos

Ordinary Death começa por seu título. Box olha para um corpo, uma mulher negra, morta a facadas. Onde está a mídia, o público na rua, o mutirão de policiais, a atenção dada ao caso de Andrea? Por que essa morte é tratada de forma tão… Ordinária?

A diferença de audiência

É notável a semelhança do estado dos corpos das duas vítimas. Assisto o episódio sem conseguir desligar a impressão de que é Duane Reade o assassino da última. Será a indicação de que é o assassino da primeira?

A visão de banalidade sobre o fim da vida perpassa todo o episódio, no mesmo ritmo que a série sempre percorre. Impressiona que ela consiga manter esse ritmo lento, de cenas que tomam seu tempo para enquadrar o personagem ou o cenário, enquanto precisa acelerar a trama pois está no seu final.

O mérito de tramas meticulosamente construídas é a capacidade de chegar nos momentos decisivos sem forçar. É o que acontece em praticamente todo o enredo. A proximidade de John ao gato, a transformação de Naz, a infelicidade e dúvida de Box, o terror que se torna a vida da família muçulmana. Tudo desenvolvido em detalhes de modo que (quase) nada agora é estranho.

A atuação de destaque no episódio vai para Bill Camp. É extremamente palpável a angústia de Box com a chegada da aposentadoria. Sem qualquer diálogo ou narração, acompanhamos sua entrada na festa promovida pelos colegas, como alguém se remoendo. Ele precisa beber, em um clima solitário e escuro, para conseguir preencher um documento para a aposentadoria, que apenas indica seu caminho ao escolher a opção “Ordinary Death”.

É um tremendo trabalho de atuação e fotografia transmitir tanto apenas em imagens. Box se remoe não só porque não sabe o que fazer com o resto de sua vida, mas porque sabemos desde o início que ele nunca esteve muito à vontade com a imagem de Naz como assassino, ou como um assassino tão brutal pelo menos. Agora ele sabe também o que deixou escapar, os dois (ou três, se adicionarmos Don Taylor) suspeitos que ele não descobriu, e que estavam à vista.

Naz pode ser o culpado, mas ele pode ser inocente. Essa dúvida corrói Box em uma belíssima sequência, em que vemos sua infelicidade sobreposta pelo caminho do garoto, rumo à última morte do episódio, o assassinato de Victor. Mesmo sem ver o que acontece dentro de Riker’s Island, ele sabe o que acontece. Sabe que a vida de Naz está destinada a um futuro bem diferente de alguém que marca “Ordinary Death” em sua ficha de aposentadoria.

O episódio cria outras contraposições. A mãe de Naz também está corroída pela dúvida. O que a destrói é o sentido contrário. Naz pode ser o inocente, mas ele pode ser o culpado. Quando essa ideia não soa mais estranha, absurda, impensável, a mãe já não tem mais um filho. Ela nunca mais olhará para Nasir do mesmo jeito. Não é apenas o garoto que parece ter mudado para sempre.

A violência que sofre a família no vermelho de um sabonete líquido

A cena em que ela sai da côrte e é confrontada por Chandra no banheiro… Que poder. É o tipo de situação que só se destaca em meio a um julgamento reproduzido aqui, em The Night Of. Imagine a mesma cena em Law and Order ou outra série que apresente tribunais. São tantos argumentos fortes, enquadramentos dando forças à Defesa e Promotoria, cortes de câmera voltados a gerar tensões que, quando a mãe não aguenta e sai, a impressão é que a discussão causou o movimento. Que um argumento chave foi capaz de desequilibrar até a mãe, que sai correndo vendo a iminente derrota do filho. Não é à toa que aqui a produção da HBO teve a coragem de chamar Law and Order pelo nome durante o episódio.

O tribunal sempre soa legal, agitado, as grandes viradas acontecem no calor do momento. Ficamos ávidos pelo grande argumento que vai mudar todo o caso. Chandra até vai bem em Ordinary Death, consegue levantar pontos importantes para quem busca a “dúvida razoável”, mas nada aqui é sobre uma romantização do processo. Safar Khan não reage a uma foto, a uma prova da Promotoria, a uma fala de Helen. Quem a derruba é a dúvida acumulada. Tão crua e fria quanto o processo que corre, como se a vida de Naz já não contasse.

E mais do que um movimento que tire Safar da côrte, o que conta é a sua saída. Aí está outra mensagem da série. Esqueça o advogado brilhante, porque se a mãe não consegue sentar e acompanhar o filho, é essa a imagem que vai marcar o júri, o entediado grupo de pessoas que assiste por horas a fotos brutais e negações por plausibilidade. Eles lembrarão da mãe saindo. Ponto.

Além dos bons momentos de Chandra, a grande cena do tribunal em Ordinary Death é a troca entre Helen e o detetive particular Dr. Katz. A experiência do detetive o torna a pessoa mais confortável entre as envolvidas com a Defesa, alguém que já esteve nessa posição e sabe dominar o papel de testemunha. Helen, apesar de não projetar muito carisma, carrega a mesma experiência, nos proporcionando uma espécie de dança. O objetivo de todos os jogadores é o convencimento do júri, então todos trabalham as palavras na tentativa de sair com a última demonstração de força.

John, que agora é o cara que usa sapatos, não poderia ficar sem uma aflição. Sabíamos que ele ia se apegar o gato, o felino que ainda parece chave importante para a revelação do caso no último episódio. Não entendi, porém, a cena com seu filho. Em nenhum momento foi construída uma distância como essa entre John e o garoto, que parece menos interessado no pai justamente quando este consegue usar sapatos.

Pareceu uma cena voltada apenas a mostrar que John estava sendo seguido. Sua vigia a Don Taylor era óbvia, tanto que foi descoberta. O fato de ele sequer ser citado ainda no tribunal, no entanto, me faz refletir se há tempo de uma virada crível que o envolva no crime, ou se ele é apenas o golpista de senhoras.

O grande problema do episódio, no entanto, é o beijo de Chandra e Naz. Eu até acho que esse clima foi construído em alguns elementos anteriores. Mas outras construções foram ignoradas. De repente ela não parece capaz de pensar nas câmeras que podem complicá-la no caso, ou de lembrar da nova mentira que descobriu pouco antes, no mesmíssimo tribunal. Naz hospitalizou não uma criança, mas duas. Chandra arregala os olhos, não consegue segurar sua surpresa frente a nova mentira. E depois o beija?

Uma pena que temporariamente o episódio tenha saído desse tipo de questionamento, ou das burocracias do sistema, onde é muito forte. Naz é o exemplo de pessoa que sofreu bullying, pela nacionalidade, pelo estereótipo nerd. É totalmente compreensível sua revolta, seu escape pela violência, levando em conta o seu sofrimento. Ao mesmo tempo, personagens não deixam de destacar como apenas Naz reagiu violentamente. A compreensão que temos de sua dor deveria apaziguar o julgamento sobre suas reações.

Não é certo reagir hospitalizando pessoas, mas também não podemos reduzi-lo a “o único que reagiu violentamente”. Afinal vimos também como outros colegas se mostraram agradecidos à Naz através de mensagens. Sua dita violência, usada como narrativa para explicar como o assassinato de Andrea poderia ser um ato natural à Naz, pode também ser a violência de um vigilante, daquele que aguentou se levantar e bater de volta.

Viagem minha? Talvez. Mas por que você acha que nosso presidiário é quem prestou atenção à Petey? É o seu senso de justiça que torna palpável a violência seguinte, o assassinato de Victor.

Nem melhor nem pior, apenas diferente?

A personalidade de Naz, no entanto, não tem qualquer feito positivo frente aos impactos na comunidade. É assustador pensar que, na vida real, Trump fora eleito poucos meses depois dessa cena:

Outro ponto forte, novamente, é a relação do garoto muçulmano com Freddy. Mais uma vez o respeito à inteligência dos espectadores. Freddy perdeu a mamata de seus negócios, sente que Naz sabe por que e o questiona. Nasir responde. Sem reflexão, sem hesitar, porque sua mente já entendeu sua relação com Freddy, já entendeu sua própria motivação frente à Petey e Victor.

Como uma boa narrativa, essa decisão ainda é coroada com o retorno do inalador, pouco antes a grande arma de demonstração de Chandra da incoerência de Box no caso. Desde o início do episódio dois, o inalador, o grande motivo para aquele episódio se chamar “Subtle Beast”, estava esperando por sua reaparição como elemento da história. E volta em dose dupla.

Quanto à pergunta chave, sabemos que The Night Of está mais interessada em mostrar os produtos do sistema judicial do que em revelar uma trama de suspense policial. Realmente acredito que a definição dessa última parte ficará como um extra no episódio final, podendo depender do gato, de uma virada de Box e principalmente do testemunho de Naz, à medida que este tem flashes sobre a noite de “The Beach”. Então, qual a sua aposta para o assassino de Andrea?

Gosta da série? Você pode ler as reviews dos outros episódios de The Night Of aqui.


Gostou do texto?

Você pode receber as atualizações do Além do Roteiro inserindo o seu email abaixo e clicando em “Seguir”.


Also published on Medium.

  • Guilherme Henrique

    Interessante como mais uma vez a história do caso do Nasir se aproxima do caso do OJ, onde as provas são tantas mas mesmo assim não é possível provar se é culpado. Tanto que o caso OJ é citado duas vezes nesse episódio em especial quando a advogada de defesa utiliza exatamente a mesma frase do advogado de defesa do OJ “If it doesn’t fit, you must acquit.” e corta pra promotora que dá um olhar de quem entendeu a ironia