Artistas que você deveria conhecer – Poets of The Fall

Tempo médio de leitura: 4 minutos

Poets of the Fall (em português, Poetas do Outono) é uma banda de rock alternativo da Finlândia. Este país europeu é conhecido por bandas de metal pesado, mas não é esse o caso. Confie em mim.

Rock alternativo é a denominação a um estilo de rock que ainda não foi estereotipado em alguma das outras denominações existentes. POTF, ao meu ver, encaixa-se em hard rock e rock progressivo, com leves toques de punk rock. Mas, diferente das bandas de punk rock, eles não são rebeldes que fazem sons dissonantes e sem sentido. Eles fazem belas músicas, com belas letras, e com um vocalista que tem uma impressionante assinatura vocal.

O que é assinatura vocal? Não que eu esteja comparando, mas pense em Freddie Mercury, Bono Vox, Robert Plant, Frank Sinatra, entre outros. Em qualquer circunstância, você reconheceria quem está cantando, porque a voz de cada um deles é marcante. O mesmo acontece com Marko Saaresto, o vocalista do POTF, que, obviamente sem a qualidade e a fama dos exemplos que dei, tem uma voz extremamente marcante.

Como em todos os últimos posts, gosto de colocar as versões ao vivo das músicas, para mostrar a verdadeira qualidade dos músicos que gosto. No entanto, nesta oportunidade irei quebrar essa minha regra. Não porque essa banda é ruim ao vivo (ela não é fantástica, contudo), mas porque algumas das minhas músicas favoritas não são tocadas ao vivo; ou se são, são gravadas por celulares, o que torna a qualidade decididamente horrível.

King of Fools – Álbum “Carnival of Rust”, 2006

É uma música bem no estilo da banda, hard rock com passagens melódicas.

“And if they had a king of fools would you wear the crown?” (Se eles tivessem um rei dos tolos, você usaria a coroa?). Quando se trata de relacionamentos, certamente que sim.

Temple of Thought – Álbum “Temple of Thought”, 2012

Uma música acústica que mostra como a voz de Marko Saaresto é potente e tem assinatura.

Cradled in Love – Álbum “Temple of Thought”, 2012

Mais uma acústica, uma balada sobre uma mulher “embalada no amor”.

All The Way For You – Álbum “Carnival of Rust”, 2006

A música (outra acústica) de um amante que diz que fará de tudo pela amada.

Skin – Álbum “Temple of Thought”, 2012

Quando um amor se vai, tudo que resta são as marcas deixadas, que podem ser uma tatuagem ou algo ainda mais profundo. “And I know, we go deeper than skin but what lies within is still deeper than we know”.

The Ballad of Jeremiah Peacekeeper – Álbum “Temple of Thought”, 2012

Você consegue sentir o clima de faroeste, com a areia sendo soprada pelo vento e a porta do saloon sendo aberta, o bandido e o xerife se encarando. Tem muito do espírito das músicas do Ennio Morricone aqui.

Carnival of Rust – Álbum “Carnival of Rust”, 2006

Embora não seja uma música propriamente religiosa, há aqui a confissão de que se precisa de Deus. Ele percebe que sua vida não é nada sem Deus. “Do you breathe the name of your saviour in your hour of need”.

Stay – Álbum “Signs of Life”, 2005

Uma música que fala, dentre outras coisas, da importância das pequenas coisas na vida, dos momentos, dos detalhes. “It’s the little things, little things, little things, that make the world”.

Illusion & Dream – Álbum “Signs of Life”, 2005

A qualidade da imagem tá uma porcaria, mas o som está impecável.

We’re drifting aimlessly, blind in a world of make believe”.

Essa música é sobre a sociedade superficial em que vivemos, onde nada é o que parece ser. Vivemos de acordo com os padrões da sociedade e nunca percebemos nós mesmos e vivemos como nós mesmos.

Fire – Álbum “Carnival of Rust”, 2006

Música inspirada em uma viagem da famosa Cannabis. Sério, veja aqui.

Running Out of Time – Álbum “Temple of Thought”, 2012

Se você só percebeu agora, não precisa comentar sobre o vocalista. Eu sei. Nada contra, mas eu sei.

Dying to Live – Álbum “Twilight Theater”, 2010

Overboard – Álbum “Signs of Life”, 2005

Quando um relacionamento vai mal e uma das partes percebe que a outra está levando com a barriga. Ou seja, que só uma delas está num relacionamento.

Sleep – Álbum “Signs of Life”, 2005

Uma balada de voz e piano. Tente decifrar o significado da música aqui, porque eu não consegui.

Dreaming Wide Awake – Álbum Twilight Theater, 2010

É uma música sobre a reação a uma perda, sobre um homem vivendo no limiar da realidade, incerto sobre o que é real e o que é imaginação. Ele nunca superou a perda do seu amor e revive o momento de sua morte repetidamente em sua cabeça.

You Know My Name – Cover de Chris Cornell


Gostou do texto?

Você pode receber as atualizações do Além do Roteiro inserindo o seu email abaixo e clicando em “Seguir”.

Nicholas Nogueira

Carioca, que abriu sua própria empresa para poder ter tempo de escrever e falhou miseravelmente. Uma pessoa intensa que encontrou na escrita a única forma de extravasar tudo que passa dentro de si.